Brigadas de Solidariedade a Cuba – A realidade cubana

Opinião Pública
04/10/12 | 11:00

Brigadas de Solidariedade a Cuba – A realidade cubana
Por Bárbara Jardim Ribeiro


Todos os anos, por quinze dias durante os meses de janeiro e fevereiro, se realizam as Brigadas de Solidariedade a Cuba. São algumas centenas de pessoas que se reúnem em Cuba, vindos de diversos países latino-americanos como Brasil, Uruguai, Argentina e Chile. O objetivo é contribuir para uma maior compreensão da realidade cubana. As atividades incluem jornadas de trabalho voluntário na esfera agrícola de Cuba, visitas a locais históricos, tanto na capital Havana quanto no interior, palestras sobre a situação atual e encontros com organizações cubanas.
Lá, acabam-se formando muitas amizades. Porém, ser brigadista não significa apenas ir à Cuba visando a diversão e o “turismo barato”, mas sim ter responsabilidade de se comprometer com o intercâmbio e difundir, no seu país de origem, o que se ocorre em Cuba, sem as distorções da mídia.
Antes de 1959, Cuba era uma ditadura — de Fulgencio Batista — sistematicamente alinhada aos Estados Unidos. No entanto, no dia primeiro de janeiro de 59, ela foi derrubada pela Revolução Cubana liderada por Fidel. Após dois anos, o analfabetismo já estava erradicado do país e estabelecida uma reforma agrária. Em reação, os Estados Unidos cortaram relações diplomáticas com Cuba. Começava o embargo americano o país.
O bloqueio econômico imposto à Cuba existe há 50 anos e deixa o povo cubano privado de muitos recursos. A privação foi muito acentuada com o fim da URSS, sua maior base de apoio, em 1991.
Fui brigadista em fevereiro de 2012. A temperatura — inverno no hemisfério norte — oscila entre 18 e 25 graus. Lá, testemunhei que, apesar do bloqueio econômico, o povo é muito alegre (parecem estar sempre sorrindo) e cativante e, em sua maioria, apoia o governo socialista. Claro que nem tudo é perfeito. Por exemplo, cada família recebe, mensalmente, uma certa quantidade de alimento proporcional a seu tamanho e, muitas vezes, o alimento acaba antes do fim do mês, fazendo a família ter de trabalhar um pouco mais em biscates. Entretanto, não se vê ninguém passando fome ou pedindo esmola na rua. Também há carência de papel e produtos higiênicos. Então, sendo brigadista, é de bom tom levar algumas doações a escolas, como cadernos e canetas; também pode-se levar shampoo, sabonete, absorventes e outros bens de consumo para a população local. O acesso a tais produtos é complicado.
A vida do brigadista não é mole. Durante os trabalhos agrícolas, éramos acordados todos os dias por volta das cinco e meia da manhã pelo canto de um galo eletrônico, seguido da clássica Guantanamera tocados por uma caixa de som instalada na frente dos quartos de cada um – em cada quarto ficam cinco ou seis pessoas. Após devidamente acordados e vestidos, íamos ao café da manhã com todos: pão, leite, café e frutas. Assim, estamos prontos para o campo. Este trabalho nos é dito como simbólico; porém, mesmo simbólico, ele cansa bastante… Hoje tenho um enorme respeito e admiração por quem trabalha na agricultura.
À tarde, depois do almoço no “comedor”, há palestras no próprio CIJAM (“Campamento Internacional Julio Antonio Mella”, o lugar onde nos estabelecemos), passeios culturais a outros lugares de Cuba, como museus e escolas, e tempo livre, tanto na capital Havana quanto no CIJAM, hora em que podemos tomar banho… frio! Apesar do drama de alguns, ninguém morreu. Para completar, em muitas noites há música com espaço para dançar salsa — impossível não participar, mesmo nunca tendo dançado na vida — e cerveja Bucanero vendida por um CUC, mais ou menos dois reais.
Essa rotina durou em torno de uma semana. Depois, fomos à Ilha da Juventude passar alguns dias enquanto o outro grupo ficava no CIJAM. Lá, visitamos o Presídio Modelo – onde Fidel passou dois anos preso, ainda no período de Batista -, é uma prisão impressionante pela sua estrutura (“…penitenciária em forma de anel, no meio do qual havia um pátio com uma torre no centro. O anel dividia-se em pequenas celas que davam tanto para o interior quanto para o exterior. Em cada uma destas celas haveria um prisioneiro a ser corrigido, que seria observado permanentemente pelo vigilante na torre… a Torre de Vigia era feita de forma que o prisioneiro nunca soubesse quem era o observador. Persianas e intrincados corredores angulares fazia com que não fosse percebida qualquer movimentação na parte interna da torre. Nem a troca dos guardas era perceptível…”) que nos deixou atônitos e emocionados por sua história.
No fim das brigadas, os dois grupos se juntam para dar início à Festa Sul Americana, onde cada país faz uma apresentação sobre a sua cultura e traz comidas e bebidas tradicionais para dividi-las com todos. Assim, a XIX Brigada Sul-americana de Solidariedade a Cuba foi encerrada em clima feliz.
Não é o paraíso, mas Cuba criou uma sociedade muito diferente das capitalistas. As pessoas que conheci não tinham a ambição do acúmulo e valorizavam a coletividade. É uma experiência, uma lição, que deveria ser obrigatória.
No Rio Grande do Sul, a associação responsável pela organização das brigadas é a Associação Cultural José Martí, “uma entidade civil sem fins lucrativos, com sede em Porto Alegre/RS, fundada em 25 de julho de 1984, com a finalidade de difundir a solidariedade entre os povos e defender o seu direito à soberania e autodeterminação e, por meio do intercâmbio político-cultural, fomentar a integração e fortalecimento da América Latina e Caribe.”
Abaixo, algumas fotos que tirei em Cuba (exceto a primeira):

Brigadas de Solidariedade a Cuba  A realidade cubana 01

Brigadas de Solidariedade a Cuba  A realidade cubana 01

Brigadas de Solidariedade a Cuba  A realidade cubana 01

Brigadas de Solidariedade a Cuba  A realidade cubana 01

Brigadas de Solidariedade a Cuba  A realidade cubana 01

Brigadas de Solidariedade a Cuba  A realidade cubana 01

Brigadas de Solidariedade a Cuba  A realidade cubana 01

Brigadas de Solidariedade a Cuba  A realidade cubana 01

Brigadas de Solidariedade a Cuba  A realidade cubana 01

Brigadas de Solidariedade a Cuba  A realidade cubana 01

Brigadas de Solidariedade a Cuba  A realidade cubana 01

Brigadas de Solidariedade a Cuba  A realidade cubana 01

Brigadas de Solidariedade a Cuba  A realidade cubana 01

Brigadas de Solidariedade a Cuba  A realidade cubana 01


*Bárbara Jardim Ribeiro, 18, é estudante.

Júri da Consciência

Eventos

Publicações

FacebookTwitterLinkedinRSS Feed

Apoiadores

Desenvolvido por Eagle - Tecnologia e Design